Bem-estar

12/11/2019 08h00

Ando Esgotado...

Saiba mais sobre a síndrome de Burnout, um mal cada vez mais comum na nossa sociedade e que muitas vezes eclode no fim do ano.

Por Nosso Bem Estar

Nosso Bem Estar
Design sem nome(2)

Ando Esgotado...

Você já ouviu falar na síndrome de Burnout? Ela está relacionada ao esgotamento profissional, e pode atingir pessoas de variadas idades e profissões, afetando a saúde e a qualidade de vida.

A pressão no trabalho, somada a uma rotina corrida, em que o profissional não tem horário para sair da empresa e abre mão do tempo com a sua família e dos cuidados com a saúde, se torna prejudicial para o organismo, e pode ocasionar um colapso físico e mental, conhecido, atualmente, como síndrome de Burnout.

 A situação gera cansaço extremo, dor de cabeça, isolamento, negativismo, entre outros sintomas, e afeta a qualidade de vida, os relacionamentos e claro, a carreira profissional. Sendo assim, quem deseja ter uma vida saudável precisa equilibrar os compromissos de trabalho e os cuidados com a saúde para não sofrer dessa doença. 

 Entretanto, o Burnout está se tornando cada vez mais presente no mundo corporativo. Diante disso, preparamos esse artigo para explicar melhor o que é essa síndrome e como evitá-la. Acompanhe! 

O que é a síndrome de Burnout

A doença vem sendo estudada há muitos anos — o termo Burnout foi criado pelo psicólogo Herbert J. Freudenberger em 1974 —, e está relacionada ao excesso de tarefas profissionais, que causa um esgotamento do corpo.

 A Organização Mundial da Saúde (OMS) classifica a síndrome de Burnout como um fenômeno ocupacional. A sua definição oficial na 11ª Revisão da Classificação Internacional de Doenças (CID-11) é: “síndrome conceituada como resultante do estresse crônico no local de trabalho que não foi gerenciado com sucesso”. Segundo a OMS, ela pode ser caracterizada por três principais sintomas:

  • exaustão ou esgotamento de energia;
  • negativismo ou cinismo relacionados ao próprio trabalho;
  • redução da eficácia profissional.

 

Além desses sintomas, a doença pode ocasionar outras complicações para o organismo, como: dor de cabeça; insônia; comportamento depressivo, ou sentimento de desesperança; dificuldade de concentração; esquecimento; pressão alta, entre outros. Contudo, vale destacar que os sinais podem se manifestar de forma diferente em cada pessoa.

No início, é comum que os sintomas aparecem em grau leve e sejam deixados de lado, já que podem ser confundidos com cansaço ou um estresse passageiro. Entretanto, é importante dar atenção a eles e procurar auxílio médico. Não se pode negligenciar os sintomas de estresse, especialmente se eles acontecem com certa frequência, já que essa é uma reação do organismo que indica a necessidade de ajustes comportamentais e na rotina. 

 A síndrome de Burnout é resultante de estresse crônico, e costuma se manifestar de forma gradativa, até ocasionar episódios mais preocupantes, como esquecimentos durante o trabalho e sintomas físicos, por exemplo, crise de choro e exaustão.

Profissões mais suscetíveis à síndrome de Burnout

Todos os indivíduos podem sofrer de Burnout: a condição dependerá de alguns fatores, como a carga de trabalho, a rotina profissional, o ambiente, entre outros. 

 Há algum tempo, a jornalista Izabella Camargo, ex-apresentadora da Rede Globo, e o ator e cantor Lucas Lucco revelaram que sofriam da doença. E eles não são os únicos - personalidades famosas, como Beyoncé, Angelina Jolie, Rihanna e Lady Gaga também foram diagnosticadas com Burnout. A Rihanna, por exemplo, revelou em um documentário sobre o seu álbum, que teve um colapso devido à rotina frenética de gravação, e precisou ser internada por exaustão. A artista teve sintomas como crise de choro compulsiva e dificuldades para dormir. 

Entretanto, engana-se quem pensa que o transtorno atinge apenas pessoas das áreas das artes e comunicação. Há profissões que podem apresentar um risco de esgotamento maior do que outras, a exemplo de profissionais das áreas da saúde, segurança, educação, financeira e vendas. Algumas situações podem favorecer o surgimento da doença, tais como:

  • sobrecarga de trabalho;
  • ambiente negativo; 
  • excesso de responsabilidades;
  • falta de reconhecimento na empresa;
  • dupla jornada. 

 

Além disso, a época de fim de ano pode contribuir para o esgotamento profissional, já que costuma haver um crescimento nas responsabilidades e uma pressão maior por metas no trabalho, aumentando o estresse. Contudo, independentemente da profissão e do período do ano, é fundamental dar atenção aos sinais do corpo de que algo não está indo bem.

Como é feito o diagnóstico e o tratamento

Quem tem dúvidas se apresenta ou não o transtorno deve procurar um profissional especializado, psicólogo ou psiquiatra, para avaliar a situação. O diagnóstico levará em conta os sintomas, o histórico do paciente e o seu envolvimento com o trabalho, além da realização de exames.

Já o tratamento pode incluir um afastamento temporário das atividades profissionais, terapia e o uso de remédios para o controle dos sintomas. A realização de atividades físicas e técnicas para relaxamento, como meditação e yoga, também podem ser positivas para lidar com a situação.

Como evitar a síndrome de Burnout

Como o Burnout está relacionado à pressão no trabalho e a um nível profundo de estresse, a forma como você lida com essas situações em sua vida pessoal e profissional será determinante para evitar o surgimento da doença. Veja, a seguir, algumas recomendações. 

1 -Estabeleça prioridades

Por mais que se queira, não dá para abraçar o mundo com as mãos. Sendo assim, é importante estabelecer prioridades e objetivos na vida profissional e pessoal. A dica, nesse caso, é fazer listas para organizar as tarefas e compromissos e, assim, conseguir dividi-los de forma mais saudável. Isso ajuda na produtividade e evita o esgotamento de tentar fazer tudo ao mesmo tempo. 

2 - Cuide da saúde e do bem-estar

Por mais que a rotina seja corrida, não abra mão dos cuidados com a saúde. Além disso, invista em atividades que tragam bem-estar, como hobbies, passeios com a família, viagens, encontro com amigos etc. Essas situações são significativas para sair um pouco da rotina e aliviar a pressão do trabalho. 

3 - Pratique atividades físicas

Atividades físicas são essenciais para uma vida saudável, pois elas ajudam a manter o bem-estar, a qualidade de vida e a saúde em dia. Sendo assim, procure algo que goste de fazer, como caminhada, natação, arte marcial, pedalada ou dança, e reserve alguns períodos na semana para se dedicar a isso. 

4 - Dê atenção ao seu sono

O corpo precisa de um sono de qualidade para repor as energias e se preparar para o novo dia de compromissos pessoais e profissionais. Por isso, dê atenção à duração do seu sono e veja se ele é reparador — algumas pessoas acordam cansadas, mesmo depois de dormir uma noite inteira sem interrupção. Vale destacar que insônia e cansaço excessivo podem ser sinais de Burnout.  

5 - Não ignore os sintomas

Se, mesmo com todos esses cuidados, você identificar sinais de estresse ou cansaço extremo, não ignore a situação e nem se automedique. É fundamental buscar acompanhamento médico para identificar o problema e realizar o tratamento adequado, impedindo o avanço da doença e outras complicações.

A pressão excessiva, a busca pela perfeição e a dificuldade de se desligar do trabalho são alguns dos fatores para a síndrome de Burnout — um mal que vem afetando muitas pessoas e que, como vimos, pode causar uma série de complicações. Sendo assim, é importante ficar por dentro do assunto e buscar formas de equilibrar a vida social e profissional, reservando um tempo para curtir a família, ter momentos de lazer, fazer atividades físicas, entre outras situações que agreguem bem-estar. 

 






 

 


 

 

X